Louremar no Facebook Louremar no Twitter
Romário enterra proposta de criminalizar o funk
Publicada em 21/09/2017 às 11:22:10

Do: Congresso em foco

O Senado decidiu cortar na raiz a discussão de tornar o funk uma prática criminosa. Por unanimidade, a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) rejeitou a sugestão popular que pretendia tornar o funk um crime à saúde pública de crianças, adolescentes e à família. A rejeição foi liderada pelo senador Romário (Pode-RJ), que deu parecer contra a transformação da ideia em proposta legislativa. O entendimento dele foi acompanhado pelos demais integrantes do colegiado, que puseram um ponto-final na discussão: o texto não tramitará no Senado.

Os senadores consideraram que o texto era inconstitucional por cercear a livre manifestação cultural e de pensamento. Romário também criticou o mérito da sugestão legislativa ao lembrar que gêneros musicais hoje consagrados como o samba e o jazz também já sofreram tentativas de criminalização ao serem tratados como coisa de “gente impura” e “ralé”.

Para o relator, não há qualquer fundamento na vinculação entre o ritmo musical e a prática de estupros ou assaltos, feita pelos autores da proposta. “Infelizmente a prática de crimes ocorre nos mais diversos ambientes da sociedade brasileira, inclusive nos bailes funk. Para isso, já existem aparatos de repressão e judiciais que devem cumprir seu dever”, defendeu.

O senador ressaltou que o funk é uma das principais formas de lazer para parte da população do país e representa uma manifestação artística e cultural importante para jovens, sobretudo em lugares de população de baixa renda. “E estes bailes também são uma alternativa de diversão para milhões de jovens em nosso país, e nas áreas mais carentes, é muitas vezes a única”, lembrou Romário.

“O samba, outrora, foi considerado ritmo lascivo e pertencente à gente da ‘ralé’. No mesmo sentido, o jazz já foi considerado um estilo musical degenerado, de gente ‘impura’. Embora se tenha tentado, o Estado nunca conseguiu proibir a manifestação da cultura popular. A sabedoria do tempo ensinou que não se consegue algemar o pensamento; ele sempre encontrará um caminho para se libertar”, escreveu o senador em seu parecer.

No pedido para transformar a sugestão em proposta legislativa, os defensores da criminalização do funk atacaram o movimento como uma “falsa cultura”, e os “pancadões” como um recrutamento organizado nas redes sociais para “atender criminosos, estupradores e pedófilos a prática de crime contra a criança e o menor adolescentes ao uso, venda e consumo de álcool e drogas, agenciamento, orgia e exploração sexual, estupro e sexo grupal entre crianças e adolescente, pornografia, pedofilia, arruaça, sequestro, roubo e etc.”.

Vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos, Paulo Paim (PT-RS) disse que se fosse para proibir todos os eventos onde ocorrem violências e abusos, “então todo o carnaval teria que ser cancelado no Brasil”.

A sugestão legislativa foi apresentada pelo empresário Marcelo Alonso no portal e-Cidadania, que prevê o envio do texto à Comissão de Legislação Participativa caso ele alcance o apoio de pelo menos 20 mil pessoas. Foi o que ocorreu. Mas a conversão da sugestão em projeto de lei dependia da aprovação do colegiado, o que não houve.

Aliança em torno de Júnior Lourenço apresenta racha no Médio Mearim

Não convide para a mesma mesa o ex-prefeito Lisboa e o primeiro-damo de Bom Lugar, Rogério Costa. 

STJ gasta R$ 6,4 mil para compra de canetas BIC

O mistério do sumiço de canetas nos locais de trabalho também parece atingir o Superior Tribunal de Justiça (STJ). A Corte reservou R$ 4,9 mil para a compra de 5.250 canetas esferográficas de cor azul e mais R$ 1,5 mil para a compra de 1,6 unidades das mesmas canetas, mas na cor preta. Em ambas as cores, as peças são confeccionadas em plástico e são da marca BIC.

Operação Baixada Livre retira cercas de campos alagados em Anajatuba

Durante a ação foram identificados mais de 300 hectares de terras cercadas ilegalmente, configurando crime ambiental segundo Decreto Nº 11.900 de 11 de junho de 1991, que criou a APA.

Simplicio não conseguiu convencer 50 pessoas a se filiarem no Solidariedade

O partido Solidariedade capitaneado no Maranhão pelo ex-deputado federal e secretário de Indústria e Comércio é um dos menores em número de filiação em Bacabal, a cidade natal de Simplício Araújo.

Hospital Regional de Bacabal comemora um ano de atendimento com ações de saúde

Em Bacabal, a população comemora um ano de atendimento no Hospital Regional Drª Laura Vasconcelos. O hospital foi inaugurado em 15 de setembro de 2016 pelo governador Flávio Dino. Neste sábado (16), a ação conta com consultas médicas, orientação nutricional para diabéticos e hipertensos, ginástica laboral, além de atividades recreativas.

TSE decide: TRE deve extinguir zonas eleitorais em três municípios do Maranhão

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, desembargador Raimundo Barros, informou nessa sexta-feira (15) aos membros da Corte sobre a resposta do Tribunal Superior Eleitoral ao estudo feito pelo Regional sobre extinção e remanejamento das zonas do interior do estado.

 Parceiros
 Enquete
 Vídeo Destaque
 Áudio Destaque
  Louremar no Facebook
  Estatísticas de acesso
» Usuários on-line: 6
» Notícias lidas hoje: 20
» Notícias lidas ontem: 535
» Total de Visitas: 6256003
© Copyright 2013 - Louremar Fernandes